Médico em Casa

Implante de Mama

Entrevista com o médico Cirurgião Plástico
Dr. Fernando Amato
CRM/SP: 133.826

–  Graduação, Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica e Mestrado pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP).

–  Membro Titular pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

– Membro da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS).

Silmara Biazoto

 

Portal Médico em Casa – Dr. Fernando, agradeço a oportunidade dessa entrevista e a minha primeira pergunta é sobre a técnica de retirada da gordura para a reconstrução e aumento das mamas. Como é realizada essa técnica?

Dr. Fernando Amato – A lipoaspiração é uma técnica realizada há muito tempo para a retirada da gordura do corpo. Com o tempo foi-se utilizando essa gordura para outros fins, como preencher defeitos e reconstruir a mama, principalmente nas pacientes que têm câncer de mama e suas sequelas.

Em algumas depressões e falhas começaram a usar a gordura para preencher esses defeitos e logo em sequência começou a ser utilizada em estética para o aumento da mama e para a troca da prótese. A paciente tem a prótese de mama e quer fazer a substituição por gordura, ou até mesmo, complementar a cirurgia da prótese, que chamamos de mamoplastia híbrida, na qual colocamos a prótese e a gordura para dar um contorno melhor para a mama.

 

Portal Médico em Casa – Isso é feito com seringa e agulha?

Dr. Fernando Amato – Sim, esse enxerto pode ser feito com uma seringa com volume de até 60 ml, mas também existem aparelhos para introduzir a gordura. Para a segurança da paciente, eu prefiro usar seringas de menor volume e aplicar mais vezes. São agulhas especiais para não traumatizar um vaso na injeção da gordura, o que poderia causar problemas para a paciente.

 

Portal Médico em Casa – De onde é retirada a gordura?

Dr. Fernando Amato – Pode ser retirada de vários lugares e sabemos que ela leva as características do lugar de origem para o local em que é enxertada. Então, tenta-se não variar muito as localizações que vão doar essa gordura. A área mais utilizada é o abdômen, mas a coxa e a região do dorso também podem ser usadas.

 

Portal Médico em Casa – Você falou que a característica do local em que é retirada essa gordura é levada para a mama. Isso é negativo ou positivo? Explique um pouco melhor.

Dr. Fernando Amato – Pode ser um fator negativo quando o paciente ganha e perde peso. Há a oscilação do volume diferente do esperado. Pode aumentar demais ou de menos. Por exemplo, se implantarmos em uma mama a gordura do abdômen e na outra a da coxa, e esse paciente ganhar peso, essa oscilação de volume vai seguir as características da gordura de cada região, que são diferentes.

 

Portal Médico em Casa – Por que as células de cada região são diferentes?

Dr. Fernando Amato – Elas possuem receptores diferentes, vão receber estímulos diferentes. Podem aumentar mais de um lado e do outro menos, gerando uma assimetria ou alguma irregularidade.

O grande problema de quem faz enxerto de gordura ou lipoaspiração é ganhar e perder peso demais. Não adianta ter Índice de Massa Corporal de 30, realizar uma lipo, e depois de 5 anos fazer uma mega dieta e emagrecer, vai perder tudo. O resultado fica completamente sem controle e sabemos que a gordura de regiões diferentes possuem respostas sem controle.

 

Portal Médico em Casa – No caso do enxerto de gordura, a paciente realiza dois procedimentos ao mesmo tempo, a lipoaspiração e aumento das mamas?

Dr. Fernando Amato – Sim, é um ponto de vista. Realmente precisa ser feita uma lipoaspiração e dependendo do volume que vai ser utilizado na mama, a lipoaspiração demora um tempo maior e prolonga a cirurgia. É importante discutir com a paciente de que não é somente uma mamoplastia, é também uma lipoaspiração.

 

Portal Médico em Casa – A retirada e o enxerto são feitos ao mesmo tempo?

Dr. Fernando Amato – Sim. Não é permitido tirar a gordura e guardar, à medida que se tira, já enxerta. Precisa ser feito no mesmo ato cirúrgico.

 

Portal Médico em Casa – Quais os tipos de implante de silicone e qual a durabilidade?

Dr. Fernando Amato – Existem alguns com textura lisa, que são pouco utilizados; microtexturas, que são muito utilizados; macrotexturas e com superfície de poliuretano.

A textura influencia na aderência nos tecidos, para não mudar de posição dentro do paciente.

A prótese pode ser de silicone e soro fisiológico, que são usados mais em reconstrução de mama. O formato pode ser redondo e anatômico, mas existem algumas variantes.

 

Portal Médico em Casa – O implante de silicone é colocado no mesmo lugar da gordura injetada?

Dr. Fernando Amato – A gordura pode ser injetada em todos os planos da mama, atrás do músculo, dentro do músculo, entre os músculos e a gordura, abaixo da pele e até no parênquima mamário. O mais importante para a gordura se fixar é ter contato com outros tecidos normais que não são enxertados, espalhando bem a gordura para que ela pegue.

O implante mamário de silicone acaba ficando abaixo da glândula ou do músculo.

 

Portal Médico em Casa – Qual o tempo de recuperação e possibilidade de rejeição para os dois tipos de procedimentos?

Dr. Fernando Amato – Nas duas cirurgias o pós-operatório tem características semelhantes, não pode dormir de bruços e deve-se evitar dormir de lado. Algumas atividades que envolvam o movimento do braço podem prejudicar o resultado e abrir os pontos, como dirigir e atividades domésticas, como cozinhar. Em média entre 03 e 06 semanas o paciente pode voltar a uma atividade regular.

A rejeição de uma prótese de silicone é baixa. A infecção também é muito baixa, mas pode acontecer. Por ser o material do próprio corpo, não é para acontecer uma rejeição do enxerto, mas pode haver uma infecção, que também é muito rara.

 

Portal Médico em Casa – O implante de silicone requer uma cirurgia para a troca. Podemos dizer então que o enxerto de gordura é mais interessante para a paciente?

Dr. Fernando Amato – Eu vejo uma vantagem para a paciente no enxerto de gordura, que é não ficar dependente de uma nova cirurgia. Não é obrigatório fazer a troca do implante mamário, porém, muitas vezes o paciente troca por questões estéticas, porque a mama sofre oscilações de gravidade, ganho de peso e amamentação.

O que acontece é que todo o corpo estranho dentro da paciente sofre uma reação, o corpo forma uma cápsula para proteger o organismo desse material estranho, mas ela pode ficar espessa, endurecida e trazer dor. Isso é a contratura capsular.

 

Portal Médico em Casa – É a formação de um linfoma?

Dr. Fernando Amato – O linfoma é raro, mas pode acontecer. Ele está relacionado à interação do organismo ao corpo estranho.

 

Portal Médico em Casa – Quanto tempo dura cada procedimento e qual a anestesia usada?

Dr. Fernando Amato – O enxerto de gordura requer uma anestesia geral ou peridural.

Uma prótese de mama pode ser feita com uma sedação e anestesia local, a paciente não precisa ser entubada e dura entre 40 minutos e 1 hora.

As cirurgias maiores em que é preciso levantar o bico da mama e tirar o excesso de pele, as mastopexias, podem ser realizadas com anestesia geral ou peridural.

 

Portal Médico em Casa – Existe alguma contraindicação para as mulheres que querem fazer a cirurgia e não tiveram filhos?

Dr. Fernando Amato – Puramente o enxerto não vai gerar interferência.

O enxerto associado à mastopexia vai depender da técnica de onde foi realizado o corte cirúrgico e que trauma gerou na glândula mamária.

É importante ter esse diálogo com o cirurgião porque a interferência na amamentação está diretamente ligada  à técnica utilizada.

A prótese de silicone não vai interferir na amamentação porque a glândula é totalmente preservada, mas se a prótese é colocada pela aréola, existe um trauma do parênquima mamário, que pode interferir.

Em uma mastopexia com prótese, ao retirar a pele e levantar a mama, existem várias técnicas que podem prejudicar muito a amamentação, inclusive algumas podem retirar o parênquima mamário, impedindo uma amamentação futura. 

 

Portal Médico em Casa – Você já falou sobre isso no início da entrevista, mas eu gostaria de retomar. Para pacientes que tiveram câncer e precisam fazer o contorno ou reconstrução da mama, qual a técnica mais indicada?

Dr. Fernando Amato – Quando é retirada uma pequena parte da mama, às vezes é possível refazer a mama como uma redução mamária, mas isso depende de onde está o tumor e o tamanho dele.

Quando é retirada toda a mama é importante saber  se vai  ser preservada a pele ou não para definir a técnica cirurgica.  Se não for preservada a pele, pode ser utilizado o expansor mamário, que pode ser colocado vazio embaixo do músculo e depois preenchido com soro fisiológico no ambulatório ganhando volume. Depois disso, trocamos esse expansor por uma prótese de silicone ou até mesmo por enxerto de gordura.

Dependendo da quantidade de pele que é tirada podem ser utilizados retalhos, um tecido tirado de algum lugar e colocado em outro. No caso da mama pode-se usar das costas. Existe o retalho abdominal, em que o resultado é como de uma abdominoplastia. Pode-se utilizar retalhos do abdômen, costas, coxa e bumbum.

 

Portal Médico em Casa – Esses procedimentos podem ser realizados só de forma particular ou o Sistema Único de Saúde (SUS) e os convênios de saúde podem subsidiar essa cirurgia?

Dr. Fernando Amato – A reconstrução de mama é obrigatória tanto no SUS quanto nos convênios, tanto tardiamente, depois da cirurgia da retirada do câncer, ou no mesmo dia da cirurgia da retirada. É claro que os pacientes precisam ter indicações para realizar nesse momento, mas todos têm esse direito, inclusive de harmonizar a mama contralateral, porque algumas pacientes quando fazem a retirada do câncer possuem outras alterações que precisam ser resolvidas para não ficarem com diferentes formatos e volumes.

Anunciar é a melhor forma da sua marca ser lembrada.  Entre em contato conosco, clique aqui.

Deixe uma resposta

Fechar Menu