Médico em Casa

Dieta para perder Peso

Entrevista com o médico Nutrólogo e Médico do Esporte

Dr. Eduardo Costa Rauen
CRM/SP: 108.133

Diretor técnico do Instituto Rauen.

– Professor de pós graduação no hospital Albert Einstein e Instituto de Ensino e Pesquisa HZM.

 

 

Silmara Biazoto

 

Portal Médico em Casa – Quais alimentos melhoraram a imunidade?

Dr. Eduardo Costa Rauen – Quando falamos em alimentos para melhorar a imunidade, nos referimos a uma alimentação 24 horas saudável. O que se preconiza? Um equilíbrio. Existe uma lei de 1937 chamada Lei de Escudeiro, de autoria de um médico argentino, que apresenta 4 itens: harmonia, quantidade, qualidade e adequação. Então, precisamos fazer o equilíbrio de todos os alimentos:

  • Harmonia, que é quanto de cada alimento se ingere;
  • Quantidade, que se refere a quantas calorias o paciente deve comer;
  • Qualidade, que se refere a proteínas, gorduras, vitaminas e minerais
  • Adequação nas fases da vida como crescimento, adolescência e menopausa, além de se considerar esse momento de vida que estamos vivendo.

Quando se colocam essas quatro leis, a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que se alimente pelo menos 5 vezes ao dia. Deve-se ter saladas, legumes e frutas, não comer carnes vermelhas todos os dias, não consumir embutidos, consumir pelo menos 30 gramas de fibras e incluir oleaginosas.

Não existe um alimento que melhore a imunidade. Dessa forma, respeitando as quatro Leis de Escudeiro, se consegue ter as quantidades de vitaminas para uma melhor resposta imunológica quando tiver uma agressão ou uma doença.

 

Portal Médico em Casa – Uma pessoa que não segue essas recomendações, mas que decide iniciá-las, levará quanto tempo para ter uma imunidade legal?

Dr. Eduardo Costa Rauen – Quando uma pessoa se alimentou por um longo período de forma errada, ou seja, pode ser que ela tenha ficado por muito tempo com falta e deficiência de vitamina, por exemplo, às vezes demora meses para ela voltar ao adequado.

Às vezes o paciente que faz a cirurgia bariátrica ou que tem algum distúrbio de absorção ou mesmo uma criança ferropriva, o que é muito comum nas crianças, quando elas se alimentam mal, demora um pouco dependendo de qual nutriente que estava faltando.

De forma geral, é difícil falar quanto tempo demora, mas o que importa é, quanto antes você começar a se alimentar direito, mais cedo estará com os nutrientes em dia. É muito específico. Determinada vitamina demora mais tempo para ser acumulada, outras já estão dentro do normal simplesmente quando são consumidas, como as vitaminas hidrossolúveis, que não ficam armazenadas. Temos como exemplo o complexo B e a vitamina C. Às vezes, a pessoa não os consome muito, mas começa a ingeri-los e em poucos dias está dentro do normal.

 

Portal Médico em Casa – A Vitamina D ajuda a melhorar a imunidade? Quanto uma pessoa deve tomar e por quanto tempo?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Esse é um assunto muito importante porque as pessoas estão muito preocupadas e pensam: “Vou tomar vitamina D para não ficar doente”. Então, qual a recomendação? Nunca tomar uma vitamina sem orientação. Ingerir a mais tem seus riscos. Quem está com a vitamina D baixa deve passar pelo seu médico para utilizar a quantidade ideal.

O que sabemos é que com a vitamina D baixa, as pessoas doentes pioram a resposta imune. Os trabalhos mostraram que quem pegou coronavírus e estava com ela baixa, teve um desfecho de mortalidade aumentado, morreram mais pessoas.

A recomendação é ter a vitamina D em dia, ou seja, normal para ter uma melhor resposta imunológica.

Quando falamos em repor vitamina D, quem repõe é quem está em deficiência, então, pacientes que estão abaixo de 30, têm uma deficiência de vitamina D, o médico vai avaliar como repor.

Tomar vitamina D sem recomendação tem os riscos da hipervitaminose, que causa insuficiência renal, aumento da absorção de cálcio, calcificação em outros órgãos. Por isso, cuidado! O mais indicado é tentar obter a vitamina de forma natural. A recomendação é sempre tomar um pouco de sol, de 15, 20 a 30 minutos diários, nos horários das 10h às 16h. Quem tem lesão na pele deve tomar cuidado ao se expor.

 

Portal Médico em Casa – Em quais partes do corpo ela age ?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Nós temos receptores de vitamina D em todas as partes do nosso organismo. Por exemplo: pacientes atletas com a vitamina D baixa versus pacientes que suplementamos vitamina, tiveram melhoras muscular e de força.

Após suplementação e nível de vitamina D dentro do normal, testes cognitivos em idosos, que têm vitamina D baixa, registraram melhores respostas. Há uma ação central de memória, principalmente na memória recente.

Em patologias também. O uso da vitamina D está sendo estudado para auxílio e tratamento de esquizofrenia, como demonstram pesquisas recentes, ou seja, há uma grande importância até para as células do sistema nervoso central.

 

Portal Médico em Casa – As frutas, verduras e legumes orgânicos são mais saudáveis, se comparados aos que receberam agrotóxicos?

Dr. Eduardo Costa Rauen – Quando falamos de agrotóxicos existe hoje muita preocupação da sociedade e dos órgãos regulamentadores, mas no Brasil existem critérios para o uso, então, as empresas que regulamentam isso pensam na biossegurança desse uso de agrotóxicos. Não é simplesmente lançar um agrotóxico e usar. São feitos testes como os feitos com os remédios, respeitando-se as fases 1, 2 e 3, bem como a fase clínica.

Acho que tem que haver um critério maior, as pessoas precisam entender um pouquinho mais da segurança que existem nos agrotóxicos para que não fiquem com medo. Às vezes as pessoas deixam até de consumir frutas e legumes porque têm agrotóxico e não é assim, tem segurança e podemos consumir. Às vezes uma pessoa deixar de consumir uma fruta, um tomate ou um morango porque tem muito agrotóxico, às vezes, ela cria um problema para a saúde dela por não ter consumido. Com certeza o não consumir é pior para essa pessoa.

 

Portal Médico em Casa – Sua família consome produtos não orgânicos?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Lá em casa a gente não consome produto orgânico, a gente vai ao mercado normal e faz um tratamento de limpeza. Quando chega em casa são lavadas essas verduras, como quem come o orgânico também tem que fazer. Esses cuidados são mais importantes do que ficar nessa discussão orgânico ou não, saudável ou não.

No orgânico muitas vezes, como não tem agrotóxico, é mais comum encontrarmos outros parasitas. A pessoa acha que vai fazer o melhor e, se não lavar, tem um risco maior de ter uma parasitose.

 

Portal Médico em Casa – Agora, mudando um pouco de assunto, jejum intermitente funciona?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Essa é uma pergunta que eu recebo todo dia aqui. Quando falamos em dieta temos que individualizar. De uma forma populacional, sabemos que a dieta mediterrânea é a melhor das dietas, de uma forma individual temos que avaliar. Jejum é uma coisa muito específica.

Para uma mulher com pouca massa muscular que resolve fazer um jejum intermitente, não será bom, por isso temos que individualizar o tratamento. Para um senhor, forte, com sobrepeso, que resolve fazer um jejum intermitente pode ser bom como uma ferramenta para emagrecer.  O jejum é bom? Sim, mas para quem? Para o João? Para a Maria? Aí entram os profissionais da saúde para fazer um exame físico e saber se aquela pessoa tem uma massa muscular adequada e gordura exagerada e, dessa forma, individualizar se usa ou não o jejum.

O jejum teve o prêmio Nobel e os benefícios de matar as células doentes, mas pode ser perigoso. Outra coisa, as pessoas fazem o jejum intermitente de forma ruim. Por exemplo, as pessoas comem errado durante as 18 horas que estão acordadas e fazem o jejum intermitente, diminuindo as horas em que vão comer. Se comiam em 18 horas passam a comer em 10 horas. Que benefício essa pessoa teve? Nenhum. Então, se eu pegar uma pessoa que come errado e colocar um jejum intermitente e colocar alimentos bons naquele período que ela come, houve benefício. É preciso cuidar, pois as pessoas fazem o jejum intermitente, mas não mudam o que comem. Elas continuam comendo as mesmas coisas ruins, só que menos, porque têm menos horas para comer errado. Não adianta fazer dessa forma.

 

Portal Médico em Casa – Bem indicado, é eficaz?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Pode ser uma estratégia por um período curto. Eu posso fazer para um paciente que tenha uma massa muscular boa e tenha uma dificuldade muito grande para fazer os lanchinhos. Para esse paciente eu posso usar, mas a longo prazo tem alguns malefícios. Usar como uma ferramenta, ok, por um período sim, para um estilo de vida não indico para ninguém.

 

Portal Médico em Casa – Por que esse método de emagrecimento está tão famoso?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Por que tudo que fala em emagrecimento chama a atenção e se descobrir um jeito fácil, melhor ainda. Então, toda hora tem um goji berry, uma fruta, um vinho que melhora isso.

As pessoas sempre procuram uma mágica e o jejum pegou pessoas que jamais conseguiriam fazer uma mudança no estilo de vida, que jamais deixariam de comer doces, embutidos e queijos em excesso. Elas pensaram assim: “Eu vou continuar comendo o que eu estou comendo, só que em menos horas e emagreço”. Só que isso é bom para elas? Não, elas continuam comendo gordura e açúcar em excesso, mas em menos quantidade. Podem perder peso, mas será que diminuiu a chance de calcificação na coronária, diminuiu a chance de diabetes e o excesso de insulina? Não. As pessoas usam uma estratégia dessas e acabam comendo tudo errado. Melhoram um pouco, melhoram porque comiam muito errado e acabam comendo menos quantidade errado e perdendo peso, acabam melhorando algumas coisas. Será que não era melhor ir a um profissional que as ensine a comer? Não simplesmente comer menos do errado.

 

Portal Médico em Casa – O que funciona para perder peso?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Perder peso é bem estabelecido, você tem que fazer um gasto calórico menor que uma ingesta calórica, não tem segredo, ou seja, ou eu como menos ou eu gasto mais. Só que as pessoas começam a fazer exercício achando que vão emagrecer e sabemos que o exercício não é um método eficaz de emagrecimento porque as pessoas começam a fazer exercício, aumentam a fome e acabam comendo mais ficando no mesmo peso.

Temos um termostato, digamos assim. Às vezes, a pessoa não fazia nada de exercícios e pensa: “Estou correndo e não emagreci nada”, é porque está comendo mais. O que tem que fazer é correr, mas continuar comendo o que comia, do contrário, não dará o déficit calórico. O que tem que haver é um equilíbrio da ingesta e gasto.

Precisamos investir nessa ingesta para ser saudável. Tenha todos os nutrientes, tenha fibras para diminuir a chance de câncer de intestino porque coloquei fibras e tirei os embutidos. Não é só comer menos, senão poderíamos fazer uma dieta de três brigadeiros e uma cerveja (por dia) e todos emagreceríamos. Vamos fazer uma dieta em que vamos comer menos, mas que tenha tudo que precisamos.

O exercício é muito bom e ajuda na manutenção de peso, mas ele não é o fator que vai fazer emagrecer. O que sabemos é que a OMS preconiza que quem faz menos de 150 minutos de exercícios por semana é sedentário.

O exercício é uma necessidade para prevenir doença, melhorar a imunidade e também ajudar na manutenção de peso. Pessoas que fazem mais de 320 minutos por semana conseguem manter uma perda de 2,5 quilos.

 

Portal Médico em Casa – Depois de eliminar o peso, o desafio é mantê-lo. Qual sua dica para conseguir isso?

Dr. Eduardo Costa Rauen –  Quando se faz uma dieta, se diminuiu a ingesta ou aumentou o gasto e houve um equilíbrio desses dois termômetros. Se fizermos uma dieta com déficit calórico, ou seja, vou comer menos do que eu gasto,  por um período até chegar no peso que se quer. O organismo ficará o tempo todo querendo voltar para onde estava. Existem os elementos contrarregulatórios, a fome vai aumentar e por isso é difícil perder peso.

O que é eficaz para perder peso? Mudar o estilo de vida. Fazer dieta emagrece? Emagrece, mas depois se voltar a fazer o que se fazia, o produto é o mesmo. Então, o que eu falo todo dia para os pacientes: Com o que você está fazendo, o resultado é esse!

Se você faz uma dieta comigo e emagrece e depois volta a fazer o que já fazia, já conhecemos o resultado. O segredo é mudar o estilo de vida, comer melhor e fazer uma atividade física regular, assim conseguirá se manter magro.

É muito comum ouvir: “Eu fiz aquela dieta e não adiantou nada, deu rebote, engordei tudo de novo”. Não, você não engordou tudo de novo, você voltou a fazer o que fazia, voltou a ser quem você era e o resultado é o mesmo, é a matemática! Voltou a fazer o que fazia, o resultado a gente já sabia! Não adianta culpar o médico, a revista… Você não aprendeu, não se educou, não mudou o estilo de vida. Para ser diferente, precisa fazer diferente.

É o equilíbrio em todos os grupos alimentares: a quantidade, a qualidade, a harmonia e a adequação nas fases da vida, isso que é necessário fazer, além de mudar o estilo de vida.

RECEBA NOVIDADES NO SEU EMAIL

VEJA MAIS ENTREVISTAS

Deixe uma resposta

Fechar Menu