Médico em Casa

Câncer de Intestino

Entrevista com o coloproctologista e professor da Faculdade de Saúde Pública-USP
Prof. Dr. Fábio Guilherme Campos
CRM/SP: 48.256

Silmara Biazoto

O que é pólipo colorretal?

Denomina-se pólipo qualquer elevação que ocorra na mucosa do intestino ou no trato gastrointestinal de uma maneira geral, desde o esôfago até a região do reto. Então, o pólipo colorretal é uma elevação que é diagnosticada nesta mucosa e pode ter diferentes importâncias, podendo ser apenas uma inflamação ou uma doença.

O pólipo colorretal tem uma importância tão grande na população que normalmente quando se fala de pólipo, está se falando de pólipo adenomatoso. E o que é um pólipo adenomatoso? É um tumor benigno que se forma na mucosa do intestino e expõe essa pessoa a um maior risco de câncer nesse local. Então, a partir de agora, sempre que a gente estiver falando de pólipo, entenda-se como pólipo adenomatoso.

 

Qual a importância dos pólipos adenomatosos colorretais?

Primeiro que eles são bastante prevalentes na população. Estima-se que entre 20 a 30% das pessoas vão desenvolver pólipos ao longo da vida, principalmente depois dos 40 anos de idade, ou seja, muita gente vai ter pólipos. Todas estas pessoas serão identificadas como portadoras de pólipos? Provavelmente não, apenas aquelas que fizerem exames de prevenção ou aquelas que desenvolverem algum sintoma em decorrência dos pólipos.

Trata-se de uma doença extremamente frequente na população e a principal importância de um pólipo adenomatoso é justamente ser a principal lesão pré-cancerosa e que pode levar o indivíduo a ter câncer no intestino, doença cada vez mais frequente no Brasil.

Para se ter uma ideia, o câncer no intestino, hoje na população brasileira, ocupa o segundo ou terceiro lugar entre todos os cânceres que a população pode ter, entre o homem e a mulher.

 

O que leva ao surgimento do pólipo?

Dois fatores:

  • O principal deles é a genética. Todo tumor do intestino, seja benigno ou maligno, é um tumor cuja principal causa é genética, não necessariamente herdada geneticamente. Significa que aquela lesão, aquele tumor se formou por uma anormalidade genética, mas que não necessariamente o paciente herdou dos seus pais, por exemplo.
  • O segundo fator importante é o alimentar. Uma dieta pobre em fibras e rica em gorduras e frituras que agridem a mucosa do intestino ao longo do tempo é um exemplo. Isso não quer dizer que se você tiver uma dieta muito ruim ao longo da vida, você necessariamente vai formar um pólipo e ter um câncer, não chega a ter essa relação.

 

Quais os sintomas do paciente que está com pólipo adenomatoso colorretal?

Na verdade, a presença dos sintomas vai depender do tamanho do pólipo que a pessoa tiver e de sua localização. Quanto mais próximo do reto estiver o pólipo, maiores as chances de sintomas. Quanto maior for o tamanho do pólipo, maiores as chances de sintomas. Por esses motivos, a imensa maioria dos pólipos não apresentam sintomas, a pessoa tem e não sabe porque ele é uma “ervilhinha”, uma “verruguinha” ou uma “azeitona” dentro do intestino, então aquilo não provoca sintomas, mas quando um pólipo tem sintomas, pode dar sangramento e presença de muco nas fezes, dor abdominal, cólicas e raramente sintomas mais importantes.

 

Somente a colonoscopia pode afirmar que o paciente tem pólipo adenomatoso?

A colonoscopia é o exame mais importante para diagnosticar o pólipo. Trata-se de um exame em que o paciente toma um líquido para limpar todo o seu intestino e é sedado para que o aparelho seja colocado pela região anal, percorrendo todo o intestino.

O exame, feito em 10 ou 15 minutos, é bastante rápido e bastante desconfortável. A presença de um pouco de gases e cólica durante e depois do exame, dependendo do grau da sedação,  é comum.

A colonoscopia permite ao médico ver por dentro do intestino. Ela também possibilita procedimentos, se tiver um pólipo dentro do intestino. É possível sua retirada antes que ele venha a crescer e se transformar num câncer.

 

Demora quanto tempo para um pólipo virar um câncer?

Na imensa maioria das pessoas, um pólipo benigno leva entre 5 a 10 anos para virar um câncer.

Algumas características da pessoa podem favorecer e apressar esse desenvolvimento. A principal delas, se é jovem, ou seja, abaixo dos 40 anos de idade, e também se a pessoa desenvolveu mais de um pólipo no intestino.

É claro que se ela desenvolveu 3, 4 ou 5 pólipos, o que não é uma situação muito comum, há mais chances de desenvolver um câncer do que uma pessoa que tem apenas um pólipo, que é o que acontece com a grande maioria das pessoas.

Pessoas que têm história de câncer no intestino ou de outros tumores na sua família, também têm uma maior chance de desenvolver mais de um pólipo e de desenvolver câncer.

Nós já estamos falando em doenças genéticas que predispõem câncer no intestino. Este é um grupo pequeno de pessoas, menos de 5% de pessoas que desenvolvem doenças no intestino tem uma doença genética, mas essa incidência é importante e não devemos esquecer dela. Por isso que varia o tempo que um câncer leva para se desenvolver, mas a resposta para que a imensa maioria é que vai demorar entre 5 e 10 anos.

A frequência com que o paciente tem que fazer a colonoscopia vai depender da sua idade, da sua história familiar, do tipo histológico, pois existem adenomas mais agressivos e menos agressivos. Assim, depende do número de adenomas diagnosticados no intestino, então, o médico vai te dar a frequência que você vai ter que fazer a colonoscopia.

 

Para quem já foi diagnosticado com um pólipo adenomatoso, é recomendado mudar a alimentação e fazer exercícios?

Sim, não só por fazer bem à saúde como um todo, pela perda de peso, diminuição do colesterol, da pressão, pois com menos peso há um aumento da qualidade de vida.

Sabemos que a mudança de alguns hábitos alimentares também ajuda a prevenir a formação de pólipos e doenças no intestino e que se comer mais fibras, legumes, verduras, frutas, tomar bastante líquido e seu intestino funcionar todo dia, comer menos gordura animal e principalmente carne animal, embutidos, presunto, isso vai te ajudar na prevenção do câncer de intestino.

A relação da dieta com a prevenção, não é uma relação direta, quero dizer, não é porque o paciente tem uma dieta excelente que não terá câncer.

Não quer dizer que tendo uma dieta péssima, vai ter câncer, porque o câncer e o pólipo se formam da conjunção de duas coisas: dieta e hereditariedade.

A atividade física é muito importante porque já se correlacionou muito excesso de peso, ou seja, o Índice de Massa Corporal (IMC) com o desenvolvimento do câncer de intestino. A gente sabe que os obesos têm maior chance de desenvolver câncer do intestino do que o indivíduo magro. Esse é apenas um fator de risco dentre vários.

 

Os pacientes que fumam e ingerem bebida alcoólica estão mais propensos a ter o pólipo colorretal? Se sim, por quê?

Sim, mas não é uma relação tão importante quanto a dieta e quanto a genética do indivíduo, mas quem fuma ou ingere álcool de uma maneira mais intensa durante muitos anos está mais propenso a desenvolver pólipos e câncer no intestino, então se recomenda também o controle do vício de fumar e da bebida alcoólica.

 

Por que os pacientes com retocolite ulcerativa ou doença de Crohn têm maior probabilidade de desenvolver câncer de cólon?

São doenças crônicas que persistem durante muito tempo na vida do indivíduo e podem ter uma menor ou maior gravidade ao longo da vida.

O que acontece é que a mucosa do intestino destas pessoas é muito trocada ao longo da vida porque a pessoa tem um processo inflamatório, ela tem diarréia, muco e sangue. Então, a mucosa se desfaz e é refeita. O fato do indivíduo estar em constante troca da mucosa do intestino ao longo da vida favorece o aparecimento de uma mutação genética e isso aumenta o risco de desenvolver câncer de intestino.

Hoje tanto a doença de Crohn quanto a retocolite ulcerativa são consideradas pré-neoplásicas, ou seja, doenças que aumentam o risco do indivíduo desenvolver câncer. Isso traz uma consequência para essas pessoas, que devem ser vigiadas ao longo da vida por meio da colonoscopia para prevenir o desenvolvimento de câncer.

 

Além dos pólipos e doenças inflamatórias, defina outros grupos de risco para câncer de intestino?

O principal grupo de risco, depois destas doenças que nós falamos aqui, estão associados à idade do indivíduo, ou seja, qualquer indivíduo acima de 50 anos de idade é considerado com risco para câncer no intestino, porque o risco associado a idade é maior.

Indivíduos abaixo de 40 anos de idade que tenham tido um parente de primeiro grau com câncer de intestino devem fazer colonoscopia de prevenção, ou o indivíduo que não tem um familiar com câncer de intestino acima dos 50 anos de idade deve fazer um exame de colonoscopia de prevenção. Portanto, a idade é um fator muito importante. Além disso, existe o fator genético.

Há um grupo de pessoas que tem doenças genéticas que favorecem e muito o aparecimento de câncer. Atenção se na sua família tem muito jovem que tenha tido câncer de intestino (abaixo do 40 anos de idade) e se na sua família tem mais de uma geração com câncer de intestino como seu avó, seus pais, seus tios e primos, isso deve chamar a atenção para a possibilidade de um câncer de origem genética.

A doença genética numa família é um problema muito grande porque estes portadores de mutação genética, que é mais rara, podem favorecer o aparecimento do câncer entre 80 a 100% dos portadores de mutação genética. Por isso, não perca a chance de fazer prevenção se a sua família tem estas características.

Anunciar é a melhor forma da sua marca ser lembrada.  Entre em contato conosco, clique aqui.

Deixe uma resposta

Fechar Menu